Adaptação a novas circunstâncias

A esclerose múltipla (EM) é uma doença neurológica crónica, inflamatória e progressiva, que se manifesta de um modo geral no jovem adulto, com uma maior probabilidade de incidência nas mulheres em relação aos homens, com implicações de natureza física, psicológica e social.

 

Durante o curso da vida, é normal que as pessoas com diagnóstico de EM necessitem de desenvolver uma capacidade de adaptação a novas circunstâncias, a mudar o seu estilo de vida e a adquirir novos conhecimentos. Tal como fundamenta Canhão & Santos (1996), “um diagnóstico de doença crónica desencadeia um grande número de mudanças, a nível físico, psicológico e social, implicando uma alteração permanente no modo de vida do individuo”. Deste modo, é essencial que se entenda a EM nas suas diferentes formas de manifestação, nos seus transtornos funcionais, nas estratégias terapêuticas indicadas e nas respostas da pessoa/ família ao processo de doença, mantendo a melhor qualidade de vida. Como disse Blanchard (1982), “… as doenças crónicas têm que ser geridas, já que não podem ser curadas”.

É essencial avaliar detalhadamente quais os sintomas que afetam cada pessoa, a sua gravidade e o impacto que possam ter na sua vida diária.

O tratamento sintomático pretende ser eficaz e melhorar o problema existente, através da adoção de estratégias e pequenos truques que complementam a terapêutica sintomatológica, melhorando assim a qualidade de vida de cada um.

 

Bibliografia:

  1. Enfermeiros de Portugal. Enfermagem Em Esclerose Múltipla, cuidar da pessoa com Esclerose Multipla-Novartis, pg.83-202.
  2. Fernandes,C., Veloso,C., Carvalho,M.J.,: (2018) O ABC da Esclerose Multipla, o seu apoio a cada momento, pg 47- 48.
  3. Soares,M. de La Salete (2006) pg. 44-48.

Fernández,O. ,Fernández,V.E., Guerrero,M., Esclerosis Múltiple

X