Aprender a lidar com sintomas psicossociais

A EM pode, em alguns casos, comprometer a cognição e a comunicação. A fadiga é também um dos sintomas que pode levar ao isolamento social. Conheça os exercícios de reabilitação cognitiva e estratégias facilitadoras da comunicação e as melhores formas de aliviar o cansaço.

 

Cognição comprometida

A cognição é a aquisição do conhecimento e uma forma do cérebro aprender, perceber, pensar e recordar através da informação captada pelos cinco sentidos. Esta forma de processo de informação pode estar comprometida nas pessoas com EM e interferir com a sua qualidade de vida.

O comprometimento da cognição pode levar a uma menor participação nas atividades socias, à dificuldade para se auto cuidar, realizar as tarefas domésticas, conduzir ou utilizar os transportes públicos, sendo essencial o uso de medidas terapêuticas para suavizar estas mudanças.

A terapia sintomática é uma opção, que se pode alcançar através da reabilitação cognitiva, combinada com a terapêutica farmacológica no auxílio no processo de minorar a deterioração cognitiva.

Existem exercícios de reabilitação cognitiva e estratégias facilitadoras, nomeadamente para as seguintes situações:

  • Défice de atenção/concentração
  • Diminuir as distrações;
  • Evitar interrupções;
  • Para realizar tarefas deve de organizar o tempo diário.
  • Orientação
  • Importância de utilizar uma agenda, calendário e relógio.
  • Memória
  • Guardar objetos em lugar próprio;
  • Criar rotinas diárias;
  • Utilizar auxiliares de memória;
  • Fazer palavras cruzadas;
  • Incentivar a pessoa com EM a relatar histórias de família;
  • Pedir para descrever momentos importantes da vida como o casamento ou nascimento dos filhos.
  • Raciocínio
  • Jogos de palavras, logica e enigmas;
  • Sopa de letras, quebra-cabeças e puzzles;
  • Fazer comentários ou resumos de notícias dos jornais ou televisão.
  • Resolução de Problemas
  • Dividir uma tarefa por etapas;
  • Seguir uma lista;
  • Consultar um dicionário.
  • Organização
  • Exercícios de como fazer um bolo ou mudar um pneu;
  • Planificar tarefas;
  • Fazer exercícios de cálculo.
  • Iniciativa
  • Dizer nomes de produtos alimentares;
  • Dizer nomes de animais com uma determinada letra.
  • Sequência
  • Planificar os autocuidados;
  • Sequências lógicas de situações da vida diária, como vestir-se.

 

Dificuldades na comunicação

A comunicação é o pilar dos relacionamentos entre as pessoas e também do meio que as rodeia. Por esse motivo, é fundamental a realização e avaliação de intervenções que contribuam para evitar ou minorar as dificuldades indesejáveis.

A comunicação comprometida precisa de uma intervenção em que sejam identificados os problemas e simplificadas as relações interpessoais. As ações facilitadoras da comunicação passam por:

  • Promover um ambiente envolvente e calmo;
  • Utilizar uma linguagem lenta e utilizar frases curtas e simples;
  • Escutar durante o tempo que for necessário e não interromper o discurso;
  • Deixar que a pessoa repita a mensagem sempre que entender;
  • Empregar o toque na pessoa para alcançar a sua atenção;
  • Estimular que a pessoa repita tudo o foi transmitido;
  • Auxiliar-se com papel e caneta, sempre que julgar essencial;
  • Promover um código de perceção;
  • Elogiar a evolução do doente;
  • Incentivar à continuidade das atividades propostas.

 

Fadiga

A fadiga é um sintoma que nem sempre é bem compreendido, quer pela própria pessoa com EM, quer pela família e sociedade. O tratamento passa pela administração de fármacos e pela identificação de fatores que possam contribuir para este estado, nomeadamente os transtornos dos padrões de sono, a espasticidade, a depressão/ansiedade/stress, a inatividade e outras condições clínicas.

É fundamental avaliar os conhecimentos acerca da fadiga e educar/promover estratégias de poupança de energia com a finalidade de minorar este sintoma, nomeadamente:

  • Planificar e priorizar atividades semanais através de listas diárias;
  • Adaptar o ambiente doméstico e laboral para que os objetos de uso diário fiquem situados em pontos acessíveis;
  • Repartir tarefas, limpar uma divisão de cada vez e passar a ferro sentado;
  • Evitar a exaustão através da alternância de períodos de atividade com períodos de repouso;
  • Praticar exercícios de forma moderada, evitando complicações pelo excesso de peso.
  • Recorrer a técnicas de relaxamento;
  • Utilizar, sempre que necessário, o elevador e o serviço de entregas ao domicílio;
  • Evitar o banho com água muito quente;
  • Procurar sair de casa nas horas de pouco calor e optar por locais de temperatura amena;
  • Desenvolver hábitos de sono e alimentação saudáveis.

 

Bibliografia:

  1. Enfermeiros de Portugal. Enfermagem Em Esclerose Múltipla, cuidar da pessoa com Esclerose Multipla-Novartis, pg.83-202.
  2. Fernandes,C., Veloso,C., Carvalho,M.J.,: (2018) O ABC da Esclerose Multipla, o seu apoio a cada momento, pg 47- 48.
  3. Soares,M. de La Salete (2006) pg. 44-48.

Fernández,O. ,Fernández,V.E., Guerrero,M., Esclerosis Múltiple

X