São várias as mulheres portadoras de EM que decidem ser mães. O assunto deixou de ser tabu e os testemunhos dessas realidades servem, muitas vezes, para encorajar quem não consegue dar o passo necessário para realizar esse grande sonho que é a maternidade.

Joana Rosas Vieira, conseguiu e hoje, esta bióloga de 39 anos, além de filha, irmã, esposa, colega e amiga, tem o papel mais importante de todos, por tanto tempo adiado, ser mãe!

Recentemente lançou o blog A Vida Em Mim (https://avidaemmim.pt/) no qual nos conta várias histórias, entra as quais a do enorme desejo que sentia em ser mãe e o facto de esse sonho ter ficado guardado num lugar bem fundo, porque pensava ser incapaz de cuidar de uma criança. A verdade é que Joana acreditou e ganhou coragem para tentar ser mãe. “Hoje sou uma mulher realizada! Sou mãe de uma menina linda, a Sofia, e ela é a minha maior motivação para estar bem e continuar bem! O apoio do meu marido e da minha família tem sido maravilhoso e muito importante para conseguir gerir os vários papéis que desempenho. Sem o apoio e o seu amor incondicional, era tudo mais difícil… É possível ter uma vida ativa, realizada e plena com EM. É possível sermos mães. Cansativo, mas a felicidade é tão grande que supera tudo! Temos os nossos momentos altos e também os baixos, mas cada dia em que nos sentimos bem é uma bênção. Esta é a minha forma de encarar a vida. Pela positiva, sempre!”, diz Joana Rosas.

Outro exemplo é o da artista Celeste Fé, de 49 anos, que aos 24 anos foi mãe de Ana Rita. Quatro anos antes estava na cama de um hospital com o diagnóstico de esclerose múltipla, mas a vontade de ser mãe sobrepôs-se a qualquer dificuldade ou pressão ou medo. Quis correr o risco e Ana Rita nasceu e hoje, com 25 anos, é a menina dos seus olhos.

 

Dicas para cuidar da mente e do corpo

Sabe-se que a gravidez corresponde geralmente a um período de estabilidade da doença, já que a probabilidade da ocorrência de surtos é mais baixa nessa altura, sobretudo no último trimestre, apesar da mesma poder aumentar após o parto. De qualquer forma, ser mãe é um desafio para qualquer mulher, tenha ou não um diagnóstico de esclerose múltipla. Além disso, sabemos que alguns sintomas podem agravar durante a gravidez, tais como a fadiga, desequilíbrio ou urgência urinária, sobretudo na fase final da mesma.

Cuidar da mente e do corpo é sempre importante, principalmente porque a tarefa de ser mãe é dura e exige trabalho e dedicação constantes.

Não é preciso esperar que o bebé nasça. Comece a cuidar de si desde a gravidez, procurando a tranquilidade e o relaxamento, alimentando-se de forma saudável e descansando o suficiente todos os dias. Inscreva-se num curso de preparação do parto e, principalmente, sugerimos que considere fazer coisas que provavelmente terá mais dificuldade em realizar quando o bebé nascer! Aqui ficam algumas sugestões:

– Reserve um dia por mês para ir a um spa. Assim poderá recarregar as suas energias.

– Reserve um dia por mês para arranjar as unhas e os cabelos: É sempre bom que se sinta bem consigo mesma.

– Pratique alguma técnica de relaxamento, como por exemplo meditação, tai-chi, mindfulness ou ioga (adaptado para grávidas).

– Saia com os seus amigos.

– Faça caminhadas regulares.

– Ponha a leitura em dia.

– Oiça muita música.

 

Equilíbrio: quando cuidar do bebé implica não esquecer de cuidar de si

Quando o bebé nasce, a maioria das mães têm tendência para se esquecerem um pouco de si mesmas. Toda a atenção é dirigida ao recém-nascido, cujos cuidados mal deixam tempo para respirar.

Porém, saiba que a melhor forma de ser uma boa mãe é dedicar uma parte do seu tempo a si própria. Por isso, não se sinta culpada! Dispensar alguns minutos do seu dia para si não tem nada de reprovável, antes pelo contrário.

Uma mãe que mantém uma alimentação saudável, pratica exercício físico, alimenta frequentemente o relacionamento com seus amigos e pede ajuda quando percebe que não pode enfrentar algumas situações dispõe de mais ferramentas para ser uma mãe melhor.

Se acha que não tem tempo, é sinal que deverá procurar uma forma de tentar conciliar as suas obrigações com as suas necessidades. Além disso, essa é uma forma de ensinar aos seus filhos as virtudes de uma vida organizada.

– Não descuide da sua imagem. Tente incluir na sua rotina alguns minutos para os seus rituais de beleza e higiene.

– Contrate um familiar, amigo ou ama para tomar conta do bebé enquanto descansa, vai a um espetáculo ou jantar fora com o seu marido.

– Compre uma roupa com a qual se sinta bonita e confortável.

– Descanse com frequência. A fadiga é um sintoma muito comum da EM e, ao mesmo tempo, um sinal quase universal nos pais começam a cuidar de um recém-nascido.

É no equilíbrio que está a virtude e é importante que se sinta bem para poder cuidar do seu bebé!

 

Fontes:

  • Multiple Sclerosis Trust (https://www.mstrust.org.uk/)
  • Livro “O ABC da Esclerose Múltipla”, de Catarina Fernandes, Celena Veloso Daniela Leal e Maria José Carvalho.

 

PT/NONNI/0719/0055, aprovado em 07/2019

X