esclerose múltipla
Partilhar:

Está provado – são inúmeros os estudos científicos sobre o assunto – que o estilo de vida saudável pode ajudar a controlar a progressão da doença, nomeadamente através de uma alimentação saudável, prática de exercício físico e gestão do stress.

 

Existe uma dieta mais adequada para as pessoas com EM?

Vários estudos têm sugerido que a alimentação é um fator ambiental importante com impacto na EM. Pensa-se que alterações da dieta possam melhorar a EM ao reduzirem a inflamação e promoverem a neuroproteção.

De facto, várias dietas foram estudadas nesta doença, tais como a dieta de Swank, dieta paleolítica, dieta mediterrânica, dieta de McDougall, restrição calórica e jejum intermitente. Contudo, não existe evidência suficiente para recomendar uma dieta específica ou suplemento dietético para as pessoas com EM que possa ter um impacto significativo na evolução da doença.

Vários estudos têm, porém, sugerido que algumas modificações da dieta podem promover a saúde em geral e associar-se a melhoria de sintomas (como a fadiga ou medidas de qualidade de vida) reportada por pessoas com EM. Essas modificações incluem a redução do consumo de produtos animais, gorduras saturadas, sal e comidas processadas, preferência pelo consumo de cereais integrais e aumento do consumo de legumes, vegetais e frutas.

 

Porque é que a alimentação é tão importante na EM?

 Para muitas pessoas com EM a dieta pode oferecer uma sensação de controlo quando se vive com uma doença crónica que é frequentemente imprevisível. Os tratamentos convencionais são muitas vezes apenas parcialmente eficazes e uma boa dieta faz parte de uma autogestão ativa. Após o diagnóstico de EM, pode sentir que um estilo de vida saudável e o bem-estar são prioritários para si.

Uma dieta adequada pode ajudar a gerir alguns sintomas, como a obstipação. Por outro lado, uma má alimentação pode aumentar o risco de outras doenças, como doenças cardiovasculares e osteoporose. Se a mobilidade estiver prejudicada pela EM, estas doenças podem ser mais frequentes.

Muitas pessoas com EM têm encontrado benefícios em mudar para uma dieta saudável, através de pequenas alterações ou mesmo revisões radicais. A melhor forma de mudar a sua dieta é simplesmente experimentar. Ingredientes caros ou suplementos vitamínicos raramente são necessários e vai ser mais fácil seguir uma dieta se for fácil para si encontrar os ingredientes e se souber prepará-los! Discuta os seus planos com um nutricionista, médico ou enfermeiro e tenha cuidado para não deixar de fora os nutrientes essenciais.

 

  1. Dehghan M, Ghaedi-Heidari F. Environmental Risk Factors for Multiple Sclerosis: A Case-control Study in Kerman, Iran. Iran J Nurs Midwifery Res. 2018;23(6):431–436.
  2. Jelinek GA, De Livera AM, Marck CH, et al. Lifestyle, medication and socio-demographic determinants of mental and physical health-related quality of life in people with multiple sclerosis. BMC Neurol. 2016;16(1):235. Published 2016 Nov 22. doi:10.1186/s12883-016-0763-4
  3. Geidl W1, Gobster C2, Streber R2, Pfeifer K2. A systematic critical review of physical activity aspects in clinical guidelines for multiple sclerosis. Mult Scler Relat Disord. 2018 Oct;25:200-207. doi: 10.1016/j.msard.2018.07.039. Epub 2018 Aug
  4. Negaresh R, et al; Effects of exercise training on cytokines and adipokines in multiple Sclerosis: A systematic review. Mult Scler Relat Disord. 2018 Aug;24:91-100. doi: 10.1016/j.msard.2018.06.008. Epub 2018 Jun 28.
  5. Sharif K.; et al. The role of stress in the mosaic of autoimmunity: An overlooked association. Autoimmun Rev. 2018 Oct;17(10):967-983. doi: 10.1016/j.autrev.2018.04.005. Epub 2018 Aug 14.

 

PT/NONNI/1219/0097, aprovado em 12/2019


Partilhar:
X