Está provado – são inúmeros os estudos científicos sobre o assunto – que o estilo de vida saudável pode ajudar a controlar a progressão da doença, nomeadamente através de uma alimentação saudável, prática de exercício físico e gestão do stress.



De facto, há muitos anos que os investigadores concluíram que as “substâncias mensageiras” responsáveis por uma reação imunitária errada na EM são formadas a partir do ácido gordo polinsaturado, denominado ácido araquidónico, substância que promove a inflamação e que se encontra principalmente em produtos alimentares animais como a carne, gema de ovo, gordura do leite ou manteiga.

Estudos mostram também que o exercício pode reduzir o número de recidivas e problemas relacionados com a marcha, bem como melhorar a fadiga e a depressão associadas à EM. Desportos com uma carga ligeira ou média são os mais adequados, como a natação, caminhada, ciclismo, yoga ou tai-chi.

Saiba ainda que uma melhor gestão do stress pode ajudar a melhorar a sua qualidade de vida, retardando mesmo a progressão da doença.

 

Alimentação à medida

  • O consumo de proteínas deve ser de cerca de 50g a 80g por dia. É aconselhável obter a maior parte destas proteínas a partir de proteína vegetal de alto valor, como o tofu, ou em combinações saborosas de proteína, por exemplo, leite de arroz e muesli;
  • Reduza os alimentos animais para duas ou três vezes por semana, dando-se preferência à carne magra ou peixe;
  • Reduza o consumo de gorduras saturadas, sólidas, de fabrico industrial e de gordura animal;
  • Consuma um máximo de quatro a dez colheres de chá (20g a 50g) de óleo que contenha um elevado número de ácidos gordos polinsaturados, como o óleo de gérmen de trigo ou de linhaça. Estes fornecerão uma quantidade suficiente de ácidos gordos polissaturados;
  • Reduza o consumo de açúcar e de sal;
  • Aumente o consumo de fibra, através da ingestão de mais fruta, vegetais e saladas;

 

Corpo em movimento

  • Prefiras as atividades de baixo impacto, como natação ou caminhadas. Yoga e tai chi também são boas escolhas, inclusive para a mente.
  • Comece devagar e aumente gradualmente a intensidade e a duração das sessões.
  • Não se esqueça de fazer exercícios de alongamento antes do treino para melhorar a amplitude dos movimentos e prevenir lesões.
  • Ajuste os seus treinos de acordo com a progressão ou diminuição dos sintomas e monitorize a sua resposta ao exercício. Se se sentir cansado, em vez de energizado, é sinal que provavelmente deverá estar a exagerar.
  • Evite praticar exercício no calor ou em altas temperaturas e beba líquidos antes, durante e após o exercício.
  • Regra de ouro: O seu programa de exercícios deve ser previamente aconselhado e aprovado por um profissional de saúde.

 

Liberte-se do stress

  • Experimente técnicas de relaxamento como meditação diária ou respiração profunda para acalmar a sua mente.
  • Tricotar, jardinar ou observar os pássaros pela janela são formas de meditar ou de mindfulness.
  • Faça algo que goste realmente, como pintar, ler um livro ou ouvir música, desviando o foco dos sintomas.
  • Meditações guiadas também podem ajudar ao relaxamento muscular. Repetir uma frase ou som, focalizando o seu olhar num objeto – como uma vela – ou respirar lenta e intencionalmente podem ajudar à concentração.

 

 

  1. Environmental Risk Factors for Multiple Sclerosis: A Case-control Study in Kerman, Iran, Iran J Nurs, Midwifery Res. 2018; 23(6):431-436

Página web: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/multiple-sclerosis/expert-answers/multiple-sclerosis-diet/faq-20057953

  1. Lifestyle, medication and socio-demographic determinants of mental and physical health-related quality of life in people with multiple sclerosis. Jelinek GA, De Livera AM, Marck CH, Brown CR, Neate SL, Taylor KL, Weiland TJ; BMC Neurol. 2016 16(1):235 Página web: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/multiple-sclerosis/expert-answers/exercise-and-multiple-sclerosis/faq-20094108
  2. A systematic critical review of physical activity aspects in clinical guidelines for multiple sclerosis. Geidl W, Gobster C, Streber R, Pfeifer K. Mult Scler Relat Disord 10.2018; 25:200-207
  3. Effects of exercise training on cytokines and adipokines in multiple Sclerosis: A systematic review. Negaresh R1Motl RW2Mokhtarzade M3Dalgas U4Patel D5Shamsi MM1Majdinasab N6Ranjbar R7Zimmer P8Baker JS9. Mult Scler Relat Disord. 8.2018; 24:91-100 Epub. 2018 Jun 28
  4. The role of stress in the mosaic of autoimmunity: Na overlooked association. Sharif K1Watad A1Coplan L2Lichtbroun B2Krosser A2Lichtbroun M2Bragazzi NL3Amital H1Afek A4Shoenfeld Y5.Autoimmun Ver. 10.2018; 17(10):967-983 doi: 10.1016/j.autrev.2018.04.005. Epub 2018 Aug